DINASTIA

Pergunte para qualquer um que conheça a Série Mundial de Triátlon sobre 2015, e você ouvirá um nome ser repetido de novo e de novo: Gwem Jorgensen. Afinal, apesar de ser raro usar palavras como “perfeito” sem exagero, das 11 SMT dela, ela teve 11 vitórias. Junte-se a nós enquanto lembramos seu ano perfeito.

Domínio no esporte é uma coisa engraçada. Por um lado, é impressionante assistir uma equipe ou indivíduo demonstrar maestria em sua área, mas por outro lado, os fãs raramente apreciam uma vitória previsível. No entanto, para Gwen Jorgensen, nada disso importa, porque ela possui características raras que a colocam na elite do esporte. E como a Campeã Mundial da Série Mundial de Triathlon (SMT), Gwen tem sido ainda mais dominante esse ano – ela tem sido perfeita, ganhando todas as suas últimas 11 SMTs. Impressionantemente, ela continua sendo a líder na SMT, mesmo depois de tirar folgas de alguns eventos para descansar para o resto da temporada. Ainda assim, apesar dessa série recordista de vitórias, ainda há uma conquista que continua acenando: O Ouro que ainda reluz no horizonte.

O triathlon é um esporte que demanda consistência – consistência nos treinamentos, consistência na nutrição, e, é claro, consistência nas três disciplinas diferentes. Afinal, os melhores corredores do mundo não podem compensar o déficit causado por uma natação ou ciclismo malfeitos. Mas talvez o que torne o triathlon tão fascinante é o grau de esforço que exige do corpo. Um dia de corrida para Gwen representa um nado de 1500 metros seguido de 40 quilômetros de ciclismo, para depois terminar com uma corrida de 10 quilômetros. E mesmo que essas distâncias não cheguem nem perto das célebres distâncias monumentais percorridas pelos competidores da modalidade Ironman®, os formatos mais curtos demandam velocidades intensas, ao mesmo tempo que asseguram que tática e força desempenhem papéis vitais em qualquer vitória. Nas Olimpíadas de Londres de 2012, Gwen estava em forma e em busca de uma medalha de ouro. Mas, infelizmente, um pneu furado no meio da etapa do ciclismo desinflou suas esperanças de subir ao pódio. Mas campeões têm uma característica peculiar – para eles, momentos de fracasso muitas vezes são o alicerce das formas mais puras de motivação. No caso de Gwen, isso a levou para a série mais dominante de vitórias consecutivas que o mundo do triathlon já vira.

Apesar do puro domínio que Gwen demonstrou nos últimos dois anos, há um fator diferente que a está motivando. As Olimpíadas de Verão no Rio de Janeiro, Brasil, será uma corrida de redenção para Gwen, e ela planejou seu calendário estrategicamente para estar na melhor forma física possível para lutar pelo Ouro. Seu ritmo implacável já a qualificou para fazer parte do time Olímpico, permitindo que ela dedique mais tempo treinando do que se preocupando em se classificar para o time.

O ENGRAÇADO SOBRE OS CAMPEÕES – PARA ELES, TERRÍVEIS MOMENTOS DE FRACASSO MUITAS VEZES SÃO A FUNDAÇÃO PARA AS FORMAS MAIS PURAS DE MOTIVAÇÃO.

A vida de Gwen está bem longe do que era antes. No último ano da faculdade, com uma vaga assegurada numa grande empresa de contabilidade, ela estava tentando aceitar a ideia de uma carreira profissional para o resto da vida. No entanto, um treinador norte-americano de triathlon reconheceu seus talentos atléticos e a encorajou a dar uma chance para o esporte. Bom para Gwen – nem tanto para seus competidores. Será que seu relativamente curto relacionamento com o triathlon foi o que a transformou numa força tão formidável? Sem noções preconcebidas de como “deveria” correr, ela está livre para fazer o que sente ser natural. E para Gwen, o natural é vencer.

Algo que é tão impressionante quanto a habilidade de Gwen de vencer é o modo como ela faz isso. Praticante de atletismo na faculdade, ela trabalha incansavelmente para melhorar sua perfomance nas modalidades do natação e ciclismo, sendo que este último permite o draft, característica única do ITU (União Internacional de Triathlon). Normalmente, as etapas de ciclismo do Triathlon são dominadas por capacetes aerodinâmicos, rodas de disco, e posições aerodinâmicas otimizadas que são incorporadas para combater o vento. No entanto, nas corridas do ITU, as bicicletas são mais parecidas com o que você veria numa corrida de estrada, e os percursos que os atletas percorrem são muito mais técnicos. Essas diferenças não demandam somente estar em forma, mas também boas habilidades para manejar a bicicleta . Em outras palavras, a etapa do ciclismo se torna menos uma apresentação de pura proeza física, e mais uma clínica em como se correr com uma bicicleta. A S-Works Amira personalizada de Gwen é a opção perfeita para tal corrida.

SEM NOÇÕES PRECONCEBIDAS DE COMO “DEVERIA” CORRER, ELA ESTÁ LIVRE PARA FAZER O QUE SENTE SER NATURAL. E PARA GWEN, O NATURAL É VENCER.

Quando as mulheres mais rápidas do mundo se enfileirarem no Brasil, haverá mais do que apenas as praias e montanhas icônicas atrás delas. Para Gwen, haverá os anos de sacrif��cio, trabalho duro, e o desapontamento de uma oportunidade perdida em Londres. As Olimpíadas são o maior palco do mundo do esporte, criando heróis com a mesma velocidade com a qual destrói as esperanças daqueles que estão competindo. Quatro anos de treinamento, corridas e preparação culminarão num único dia em agosto. Por duas horas, Gwen terá que desligar todas as partes de seu corpo que estarão mandando-a parar. E para ganhar o Ouro, ela precisará de cada gota de experiência que obteve nos últimos quatro anos para ajudá-la a ir além do que seu cérebro acha ser possível. Porém, o mais importante, se ela espera vencer, terá que correr como a Gwen Jorgensen que o mundo se acostumou a ver nestes últimos anos. Não há melhor treino no mundo do que ganhar tudo que vem pela frente.