Vivi Favery - #IamSpecialized

Friday, July 17, 2015

Se você tivesse uma lesão, prestes a encarar um grande desafio como o Big Biker, a primeira coisa que você teria em mente seria ficar em casa lamentando-se. Pois bem, isso não aconteceu com a atleta Specialized Viviane Favery, que em 2013, mesmo com a mão quebrada, foi lá e venceu a prova. Acompanhe um pouco da determinação, foco e as principais dicas da paulista da equipe Specialized Factory Racing Team para ter um bom rendimento no MTB.

Para quem quer se profissionalizar quais são suas dicas?
Além de ter que ter muita vontade e disciplina, acho que a pessoa precisa ter consciência de que é necessário colocar a mão na massa. Como todo empreendedor de sucesso, o atleta também precisa estudar e conhecer cada detalhe do seu “mercado”, do seu “produto” e ter visão clara de onde quer ir. E aí, tem que arregaçar as mangas e fazer acontecer. Não é apenas subir na bike e treinar. É cuidar da bike, conhecer seu equipamento, pensar em logística, planejar, cuidar da alimentação, conviver em equipe, lidar com parceiros, patrocinadores e com o público, e por aí vai.

Quais passos seguir?
Para quem está começando, diria que os primeiros passos são:
1) Procurar um treinador
2) Definir junto com seu treinador metas - prova(s) chave(s) e provas que irá fazer como treino
Exemplo: Pra mim, uma das provas chaves pro 2º semestre de 2015 é a Leadville Trail 100 MTB (prova de 100 milhas no Colorado). As provas que fiz e vou fazer como treino para ela são Big Biker São Luis do Paraitinga e Campeonato Brasileiro de XCO.
3) Fazer acompanhamento nutricional
4) Cuidar do preparo físico fora da bike (fortalecimento, prevenção de lesões, alongamento, recuperação)

“NÃO É APENAS SUBIR NA BIKE E TREINAR. É CUIDAR DA BIKE, CONHECER SEU EQUIPAMENTO, PENSAR EM LOGÍSTICA, PLANEJAR, CUIDAR DA ALIMENTAÇÃO, CONVIVER EM EQUIPE, LIDAR COM EQUIPAMENTOS, PATROCINADORES E COM O PÚBLICO, E POR AÍ VAI".
- VIVI FAVERY

Como é a sua rotina de atleta? Trabalho, treinos, alimentação, exercícios funcionais, dicas de beleza.
Minha rotina de atleta se mistura com minha rotina de trabalho. É um malabarismo que faço para equilibrar tudo e a rotina está sempre sujeita a alterações por influência de fatores externos, que podem ser, por exemplo: chuva (aí tenho que adaptar meu treino para o rolo) ou meu chefe me convocando para um jantar de negócios – o que atrapalha sono, dieta, descanso (que exige adaptação do treino do dia seguinte).

Durante a semana, de madrugada ou a noite, faço três ou quatro treinos na bike mais um ou dois treinos na academia (fortalecimento, funcional, propriocepção e/ou alongamento). No meio da temporada, valorizo mais o descanso do que as horas na academia, então eventualmente acabo indo somente uma por semana na academia. Já no começo/fim de temporada, é quando aproveito para pegar mais pesado na academia, ganhar massa, aumentar carga.

Os finais de semana são cem porcento dedicados à bike – aí, para ganhar qualidade nos treinos, aluguei um lugar na Serra da Mantiqueira para onde vou frequentemente. Lá, encontro trilhas técnicas e subidas de todos os tipos, formando um “cardápio” de dar água na boca em termos de percursos para realizar meus treinos.

Não é sempre que sobra tempo na semana para cuidar da beleza. É mais comum que eu fique algumas semanas sem fazer a unha, até chegar em um ponto que não aguento mais e tiro um tempo para fazer uma “recuperação da beleza” ( risos). Aí vou pro salão fazer tudo que tenho direito! O esporte convida a gente a andar mais relaxada, mas estou melhorando nisso, cada vez mais cuidadosa com meu visual. Hoje em dia não abro mão da maquiagem (menos na bike - ainda não entendo porque passar batom para pedalar). Antes do pedal, a regra é uma camada de protetor com base no rosto, que ajuda a não manchar a pele, e outra camada de protetor com alto fator de proteção.

Também tenho uma boa dermatologista que entende a vida de ciclista e me ajuda a recuperar a pele marcada de machucados, sol, pelos encravados por causa do atrito da bermuda e etc.

“ANTES DO PEDAL, A REGRA É UMA CAMADA DE PROTETOR COM BASE NO ROSTO, QUE AJUDA A NÃO MANCHAR A PELE, E OUTRA CAMADA DE PROTETOR COM ALTO FATOR DE PROTEÇÃO."
- VIVI FAVERY

E sobre a sua bike S-WORKS ERA para as atletas amadoras e para as trilheiras. Porque investir nesta bike? Quais benefícios? Já que são amadoras, porque não investir em uma bike mais simples?
Para mim, todo mundo merece ser feliz. Ainda mais nós, mulheres, com nossas questões femininas. Basta o tempo da gestação, as dores do parto, a doação de mãe.... Nós merecemos sermos amadas, sermos cuidadas, sermos vistas, reconhecidas.

E o que bike tem a ver com isso?
Para mim, meu momento com a bike é uma forma de me amar, me cuidar, de alimentar meu lado feminino, independente se estou curtindo uma trilha com meus amigos ou treinando para a competição mais difícil da minha vida.

Quando a Specialized lançou a nova ERA - com toda tecnologia envolvida para desenvolvimento de um equipamento cem porcento feito para a mulher e suas características, foi como se ela falasse: “Vivi, você merece ser feliz”.

E como tenho sido. Ando de ERA há 10 meses e eu não quero outra bike! Ela é minha parceira para todo pedal, longo ou curto, XCO ou Maratona, diversão ou “sangue nos olhos”. Uma bike versátil, leve, confortável e arisca. O que mais eu preciso? Quando vou para prova, deixo a suspensão traseira firme, as vezes até com um pouco mais de ar. Se vou para trilha curtir, inverto a configuração. E só, só isso que preciso fazer para ter o melhor resultado em uma prova ou me divertir muito!

Não estou falando que antes da ERA eu não tinha prazer de pedalar. Não é isso. Mas eu precisava fazer muito mais esforço na bike para extrair o melhor do pedal. Não é todo obstáculo que eu tenho coragem de superar quando estou de hardtail. E a suspensão dianteira invertida também trouxe muito mais rigidez e estabilidade, ou seja, sinto mais confiança e segurança para soltar o freio – e não tem nada que pague o valor de sentir o vento na cara sendo proporcionado pelo seu próprio controle e potência!

Sei que foi um desafio desenvolver a ERA. Como fazer uma bike aro 29 full suspension que atenda a “geometria” do corpo feminino? Muito estudo e a confiança de que nós, mulheres ciclistas, iríamos usar muito esse equipamento, para sermos muito felizes.

“FOI COMO SE ELA FALASSE - VIVI, VOCÊ MERECE SER FELIZ."
- VIVI FAVERY

Com relação aos acessórios e roupas, o que não pode faltar?
Tão fundamental quanto ter um bom tênis de corrida, por exemplo, é ter uma BOA bermuda com um EXCELENTE forro. Hoje em dia existe tecnologia desenvolvida até para a produção dos forros de bermuda, com tratamento antimicrobiano e material que não machuca a pele.

Essa parte do corpo é a que mais sofre, já que o calor e atrito diários podem causar lesões na pele e machucados que podem até nos afastar dos treinos.

Uma das minhas peças favoritas de vestuário é a jaqueta da Specialized Deflect, que pode tirar a manga, que repele vento e água. É uma das peças mais versáteis e úteis do meu guarda roupa de ciclista.

Recentemente eu também experimentei o bretelle feminino com Hookup, que tem um sistema de soltar atrás pra poder ir no banheiro, e amei. Minha nova peça favorita, tanto de caimento no corpo quanto de funcionalidade. Será minha escolha principalmente para pedais longos, já que o forro é excelente.

Obs: quando eu comecei a pedalar, achava que eu deveria comprar roupas boas apenas quando estivesse mais evoluída no esporte. Hoje percebo que essa linha de pensamento não deveria existir! Todas as pessoas, iniciantes ou avançadas no ciclismo merecem e devem ter equipamentos de qualidade.

“TODAS AS PESSOAS, INICIANTES OU AVANÇADAS NO CICLISMO MERECEM E DEVEM TER EQUIPAMENTOS DE QUALIDADE."
- VIVI FAVERY

VEJA AS ARMAS DA VIVI